Seria o homem tão poderoso, tão virtuoso e magnífico, mas também tão mau e vil?

(Mary Shelley)

Tags: ,

Os homens, sem o apoio das idéias de glória e de honra, não podem dispor-se a suportar suas misérias presentes.

(Mary Shelley)

Tags: ,

Prefiro a bengala da experiência à carroça rápida da fortuna. O filósofo viaja a pé.

(Pitágoras)e

Tags:

Numa sala de aula, o verdadeiro quadro-negro é o salário do professor.

(Max Nunes)

Tags: , ,

Ah! Para o desafortunado é boa a resignação, mas para o culpado não há paz.

(Mary Shelley)

Tags: , ,

Quando a falsidade consegue parecer-se tanto com a verdade, quem pode ter certeza da felicidade?

(Mary Shelley)

Tags: , ,

Que crédito que dá tão facilmente
o coração àquilo que deseja,
quando lhe esquece o fero seu destino;

ah, deixem-me enganar, que eu sou contente;
pois, posto que maior meu dano seja,
fica-me a glória já do que imagino.

(Luís de Camões)

Tags: , ,

Essa Mulher…
Tosca. Sentada. Alheada…
Braços cansados
descansando nos joelhos…
olhar parado, vago,
perdida no seu mundo
de trouxas e espuma de sabão
– é a lavadeira.

Mãos rudes, deformadas.
Roupa molhada.
Dedos curtos.
Unhas enrugadas.
Córneas.
Unheiros doloridos
passaram, marcaram.
No anular, um círculo metálico
barato, memorial.

Seu olhar distante,
parado no tempo.
À sua volta
– uma espumarada branca de sabão.

Inda o dia vem longe
na casa de Deus Nosso Senhor,
o primeiro varal de roupa
festeja o sol que vai subindo,
vestindo o quaradouro
de cores multicores.

Essa mulher
tem quarentanos de lavadeira.
Doze filhos
crescidos e crescendo.

Viúva, naturalmente.
Tranquila, exata, corajosa.

Temente dos castigos do céu.
Enrodilhada no seu mundo pobre.

Madrugadeira.

Salva a aurora.
Espera pelo sol.
Abre os portais do dia
entre trouxas e barrelas.

Sonha calada.
Enquanto a filharada cresce
trabalham suas mãos pesadas.

Seu mundo se resume
na vasca, no gramado.
No arame e prendedores.
Na tina d’água.
De noite – o ferro de engomar.

Vai lavando. Vai levando.
Levantando doze filhos
crescendo devagar,
enrodilhada no seu mundo pobre,
dentro de uma espumarada
branca de sabão.

Às lavadeiras do Rio Vermelho
da minha terra,
faço deste pequeno poema
meu altar de ofertas.

(Cora Coralina)

Cora Coralina

Tags: , ,

ignore a memória coagulada na garganta

siga a ordem dos sintagmas

pense despotência
minta engane aprenda-se

seja óbvio objetivo prático

não dê o devido valor ao café
dê o delito favor à fé

por higiene e saúde
lave seus livros
com hipoclorito de sódio

seja plurissílabo

bata na porta dos fundos
abuse do por favor
do obrigada
do sinto muito

não beba
não fume
não fuja
não babe
não grite
não grave

finja
o tom de voz daquela pessoa

esqueça

não escreva

mantenha a calma
a cama arrumada
desengatilhe a arma
faça a barba
faça um plano
limpe o quarto
lave o prato
vista branco

suporte o sufoco
dos prefixos
a an dis des in i

engula todos os anfíbios

e feche em si
a porta hospício

ao entrar

Créditos da imagem:
foto por Aaron Nace

(fonte)

Tags: , ,

“Não sei o nome desse poeta, acho que boliviano; apenas lhe conheço um poema, ensinado por um amigo. E só guardei os primeiros versos: ‘Trabajar era bueno en el sur… Cortar los árboles, hacer canoas de los troncos’.
E tendo guardado esses dois versos tão simples, aqui me debruço ainda uma vez sobre o mistério da poesia.

O poema era grande, mas foram essas palavras que me emocionaram. Lembro-me delas às vezes, numa viagem; quando estou aborrecido, tenho notado que as murmuro para mim mesmo, de vez em quando, nesses momentos de tédio urbano. E elas produzem em mim uma espécie de consolo e de saudade não sei de quê.

Lembrei-me agora mesmo, no instante em que abria a máquina para trabalhar nessa coisa vã e cansativa que é fazer crônica.

De onde vem o efeito poético? É fácil dizer que vem do sentido dos versos; mas não é apenas do sentido. Se ele dissesse: ‘Era bueno trabajar en el sur’ não creio que o poema pudesse me impressionar. Se no lugar de usar o infinito do verbo ‘cortar’ e do verbo ‘hacer’ usasse o passado, creio que isso enfraqueceria tudo. Penso no ritmo; ele sozinho não dá para explicar nada. Além disso, as palavras usadas são, rigorosamente, das mais banais da língua. Reparem que tudo está dito como os elementos mais simples: ‘trabajar, era bueno, sur, cortar, árboles, hacer canoas, troncos’.

Isso me lembra um dos maiores versos de Camões, todo ele também com as palavras mais corriqueiras de nossa língua:

‘A grande dor das coisas que passaram’.

Talvez o que impressione seja mesmo isto: essa faculdade de dar um sentido solene e alto às palavras de todo dia. Nesse poema sul-americano a idéia da canoa é também um motivo de emoção.

Não há coisa mais simples e primitiva que uma canoa feita de um tronco de árvore; e acontece que muitas vezes a canoa é de uma grande beleza plástica. E de repente me ocorre que talvez esses versos me emocionem particularmente por causa de uma infância de beira-rio e de beira-mar. Mas não pode ser: o principal sentido dos versos é o do trabalho; um trabalho que era bom, não essa ‘necessidade aborrecida’ de hoje. Desejo de fazer alguma coisa simples, honrada e bela, e imaginar que já se fez.

Fala-se muito em mistério poético; e não faltam poetas modernos que procurem esse mistério enunciando coisas obscuras, o que dá margem a muito equívoco e muita bobagem. Se na verdade existe muita poesia e muita carga de emoção em certos versos sem um sentido claro, isso não quer dizer que, turvando um pouco as águas, elas fiquem mais profundas…”.

Fonte

Rubem Braga

Tags: , ,

« Older entries

%d blogueiros gostam disto: