Adélia Prado

You are currently browsing the archive for the Adélia Prado category.

Que a fonte da vida é Deus,
há infinitas maneiras de entender.

(Adélia Prado)

Tags: ,

Como será a ressurreição da carne?
É como nós já sabemos, eu lhe disse,
tudo como é aqui, mas sem as ruindades.

(Adélia Prado)

Tags:

O que a memória ama
fica eterno.

(Adélia Prado)

Tags: ,

Fui dormir umas vezes tão feliz, que, se soubesse minha força, levitava. Em outras, tanta foi a tristeza que fiz versos.

(Adélia Prado)

Tags: , , ,

Olhar as coisas poeticamente nos ajuda. Elas se vão, fica a poesia, que não morre.

(Adélia Prado)

Tags:

Cesse de uma vez meu vão desejo
de que o poema sirva a todas as fomes.

(Adélia Prado)

Tags: ,

%d blogueiros gostam disto: